México, um país encantador!

foto: reprodução

Catedral da Cidade do México é um exemplo do patrimônio cultural do país

Cultura diversificada e história repleta de revoluções compõem o panorama de um povo

Simone Silva
6o período de Jornalismo


Visitar pirâmides, passear por um rio num barquinho colorido, entender boa parte da história da humanidade em um dos melhores museus de antropologia do mundo, almoçar ao som dos mariachis e, comprar jóias de prata da melhor qualidade. Tudo isso pode ser feito na Cidade do México, capital dos Estados Unidos do México.

O México é um país do sul da América do Norte que tem como idioma oficial o espanhol, além de várias línguas indígenas. O México está situado numa das zonas sísmicas mais perigosas do mundo.

A maioria da população é de mestiços (brancos com índios), havendo ainda um grande número de índios puros. O fuso horário mexicano tem aproximadamente uma diferença de quatro horas a menos do horário de Brasília.

O país se divide em 31 estados e um distrito federal, que é a Cidade do México. Cerca de 97% da população tem como religião o catolicismo, os outros 3% são protestantes. A moeda oficial é o peso mexicano.

Sua economia é baseada na agricultura e na mineração; fundamenta-se na indústria. Na agricultura, milho, feijão, trigo, algodão, café, cana-de-açúcar e sisal. Na mineração, destaca-se a prata, o zinco, o chumbo, o cobre, o carvão, o petróleo, o gás natural e o enxofre.

A capital de um dos países mais populosos do mundo lembra bastante São Paulo. É grande, densamente povoada, poluída e tem um trânsito terrível, mas possui uma das histórias mais fantásticas da América e conserva os prédios e ruínas das civilizações antigas muito bem.

A cidade México fica num grande vale onde existiam vários la-gos, e hoje com 22 mi-lhões de habitantes en-frenta muitos problemas com a drenagem de água especialmente na época das chuvas.

Em 1629, a cidade enfrentou a maior inundação de sua história, ficando alagada por 5 anos, quase deixou de ser habitada. Mas obras de infraestrutura já naquela época, envolvendo a construção de grandes canais de drenagem, garantiram sua existência até os dias de hoje.

Outro grande problema que a cidade enfrenta é o afundamento de seus prédios, especialmente os históricos, construídos durante o império espanhol. Alguns destes já afundaram até 4 metros e pode se ver o grande desnível entre estes e os prédios mais novos. Novas construções exigem muito dos engenheiros locais uma vez que tem de prever o afundamento natural destes em relação à cidade como um todo.

O centro político e reli-gioso, da cidade foi cons-truído sobre um grande tem-plo de adoração ao sol, que existiu durante a civi-lização Asteca. Todas essas construções foram destruídas para dar lugar à igreja de Guada-lupe e o Palácio do Governo e ministérios.

Por ser um país muito religioso, a devoção para a virgem de Guadalupe é outro fator que contribuiu para fazer da cidade do México a alma da nação. A basílica de Guadalupe atrai peregrinos de todas as partes do país. Antes do amanhecer de 12 de dezembro (dia da santa), eles chegam a basílica para rezar e adorar a imagem sagrada da virgem.

Conforme a lenda, esta imagem foi capturada no sayal de um nativo, com o que Deus quis sublinhar a importância que nomeia aos mexicanos naturais. Hoje em dia, a maioria dos mexicanos encontra na virgem de Guadalupe um símbolo de espe-rança e de con-forto

 

País das revoluções

A Festa dos Mortos

Nosso Sangue Latino


subir