Os costumes indígenas são mantidos apesar do contato com os brancos

O homem branco não é o único a gostar de bebidas fermentadas, os índios também têm uma certa atração por esse tipo de líquido, mas não como cerveja, e sim como cauim. Esta bebida é um fermentado de milho, mel e frutas. Além do cauim, algumas tribos gostam de comer animais exóticos como gafanhotos, tartarugas, larvas e cipó. Degustam também a farinha, extraída da mandioca. Eles ralam a raiz crua e espremem a massa até separá-la do suco.
Os Fulniôs – ancestrais do saudoso jogador Mané Garrincha – praticavam o endocanibalismo: o primogênito de cada família era morto, assado e comido com mel pelos avós. Eles acreditavam que, agindo dessa forma, a raça se fortificava. Também bebiam o cachimbo – uma mistura de cachaça com mel e canela em pó, curtido numa garrafa envolta em cortiça e pendurada em vigas.
Existem vários tipos de moradias indígenas. Algumas são grandes, organizadas e fixas, outras são nômades, bagunçadas e pequenas. É o caso dos Xokleng, que se encontram no sul do país.
Na aldeia Bororó, as índias se casam aos 13 anos ou após sua 1 menstruação. Os futuros noivos passam por um teste até o dia da cerimônia, ficando sem comer durante muito tempo. Na cerimônia a troca de comida tem um significado importante para os noivos: um se compromete com o outro. Eles colocavam uma pulseira de algodão no braço - a aliança.
Entre as armas indígenas pode-se citar a borduna (duro e pesado, serve para guerrear com outras tribos), a zarabatana (um tubo comprido, feito de bambú, que serve para caçar e matar inimigos), arco e flecha (a mais conhecida de todas as armas, os menores arcos são usados na mata e os maiores em campos abertos, servem para caçar e se defender).

 

Índios: uma triste história brasileira.

O trabalho da FUNAI.

Línguas indígenas: tradição que foi esquecida.

Estatuto dos Índios.

Identidade e diversidade cultural dos índios.