As linguagens da disciplina

Luana Loren
Luiz Fernando
Olívia Borges
Osmarino Carlos
Paulo Henrique Leite
1º período de Jornalismo

A Polícia Militar é uma das instituições mais notórias quanto às suas manifestações particulares de linguagem simbólica. O paradigma de manutenção da ordem e civilidade que ela carrega gera por si só uma série de símbolos únicos que reforçam o senso hierárquico e cívico da Polícia, e mostrar um pouco dessa linguagem simbólica é quase como entrar em um mundo distinto, seja na comunicação em serviço, seja nos momentos de descontração. A comunicação interna da PM se espalha em diversos meios: desde as vestimentas até os comandos e gírias, há uma grande quantidade de detalhes sutis que estabelecem os níveis de comunicação dos policiais entre si, em seus muitos patamares.

As vestimentas definem a graduação ocupada por um soldado, e suas diferenças são raramente notadas a menos que se tenha um olho atento. As graduações são divididas em dois ciclos: os policiais de praça e os oficiais.

Hierarquia

Os policiais de praça vão desde os soldados de 2a classe até o subtenente. As vestimentas de cada um são diferenciadas através de pequenas divisas nas mangas, e a quantidade destas definem quão alto está o soldado na hierarquia. Os soldados de 2a classe não possuem divisas nas mangas. As divisas são adicionadas a cada patamar (do soldado de 2a classe, as graduações partem para — em ordem linear — soldado de 1a classe, cabo, 3o Sargento, 2o Sargento, 1o Sargento, Subtenente). A única exceção para a ordem das divisas é a do subtenente, que, em vez de possuir seis divisas nas mangas, possui um losango.

Os oficiais, por sua vez, vão desde o cadete até o coronel. A graduação pode ser notada pelas estrelas costuradas no ombro da vestimenta. A divisão das estrelas é feita não só em seu número, mas também em suas cores. O cadete possui uma estrela amarela no ombro. O aspirante, uma estrela dourada e plana. O 2o tenente possui uma estrela cheia e negra. O 1o tenente possui duas estrelas cheias e negras. O capitão tem três estrelas negras e cheias. O major, uma estrela dourada e duas pretas cheias. O tenente coronel, duas estrelas douradas e uma negra cheia. O coronel, finalmente, tem três estrelas douradas.

Gírias policiais

Em todos os meios existem gírias que ajudam a definir a identidade de seus membros, e a Polícia Militar não é diferente nesse aspecto. Na PM, gírias populares e específicas se misturam, criando um canal parcial de compreensão entre meios sem que a linguagem particular da Polícia seja totalmente decifrada. As gírias, na Polícia Militar, servem também um propósito específico: manter o conteúdo de mensagens importantes restrito a seus membros, evitando o vazamento desnecessário de operações da força para mãos erradas. A linguagem policial é muito ampla; as gírias aqui exemplificadas são apenas aquelas usadas mais comumente por policiais em uma blitz, apreensão ou mesmo momentos descontraídos.

Comandos

Os comandos são provavelmente a forma mais particular de comunicação da PM, e são de notória importância para o estabelecimento da disciplina e direcionamento dentro do trabalho. São usados também diversos meios para estabelecer comandos, como o viva-voz, a corneta, gestos (usados com freqüência também por guardas de trânsito, como exemplos de comandos que se estendem aos civis) ou apitos.

Pelotão, sentido!!

Dicionário básico do policial

 

 

 

UNIUBE - Universidade de Uberaba/Curso de Comunicação Social - Jornalismo